Avançar para o conteúdo principal

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 

Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.

Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o espaço, exploramos o baloiço ainda vestidos e depressa surgiu a vontade de despir. Cada descoberta de uma posição acrobática nos fazia gargalhar como dois jovens traquinas.

Entretanto, a folia transforma-se. Um beijo! Um simples beijo! Apesar dos nossos lábios se tocarem várias vezes  no dia a dia, estes beijos intensos são sempre exclusivos. O ventre arde a cada troca de lábio sugado. A gula é desperta. O repasto inicia-se.

Puxas-me do baloiço, queres me despir peça a peça. Empurras-me contra a cama gigante e começas pelos botins, sentando em cima de mim, numa espécie de luta. Queres me submeter mas eu também te quero saborear. Viras-me. Ajoelhada, assim mesmo, despes as leggings. Quando só de corpete exiges que esteja quieta. Chegou a altura de me admirares.Vesti uma lingerie bem provocadora que combina bem com as meias de liga pretas que não tiras. Abres-me as pernas, elevas-me a anca e sentes o meu corpo ao teu dispor. Sapateias o lado direito com uma palmada bem instigadora da libido. Respondo com uma questão : "Vamos testar limites!"

Depois das quatro bochechas bem ruborizadas, reviras-me de novo. Dizes que vais obedecer às purpurinas do corpete. No sitio certo está escrito "kiss me". Com beijos leves no ventre, encaminhas até às virilhas, estremeço e deliro pelo que antecipo mentalmente.  Delícias-te com o meu licor abundante e fico cada vez mais irrequieta. "Sossega"- ordenas-me, mas está difícil.  Deixas-me suspensa no meio do leito.  Tiras uma espécie de cinto do bolso e despes a camisola e as calças, sem nunca desviares o olhar do meu, sinto o teu devorar visual.

Lentamente sobes de novo sob mim e com a fita (agora reconhecida de um roupão meu) amarras-me. Deslizas as tuas mãos na minha pele. Estamos ambos quentes mas eu arrepio. Quando me tocas no centro do meu prazer, estou húmida, a ferver e penetras-me contendo o meu gemido com um longo beijo. Continuamente mas de forma lenta, sussurras : "antes do baloiço quero-te na minha boca!" Sorrio e respondo provocadoramente - ""Sou sempre tua!"

Colocas na minha boca o teu tesão, enquanto continuas a massajar-me e penetrar na fonte do meu desvairo. Em tom de reclamação pedes que não seja demasiadamente gulosa, como castigo retiras-me o calipo quente e continuas a tortura com a tua língua. Sem que os dedos parem de penetrar e explorar todo o meu interior, fazes-me explodir em endorfinas. Em estado inebriado suplico por ti: Quero-te!

Fodemos como autênticos trogloditas em época pré-histórica. Não existe mais nada! Nós, pele, feromonas, desejo e muita tesão, folia ao rubro. O teu êxtase chega quando me desamarras e logo prontamente me ofereço. Como se ainda estivesse algemada, de quatro, novamente o furor das tuas mãos nas minhas nádegas e estocadas bem fortes de desejo para entrares cada vez mais dentro de mim.
X-art.com
Depois de uns valentes copos de água e corpos refrescados. Voltamos às caricias, sem esquecer o baloiço. Reparo também como o sofá erótico é aliciante e teço alguns comentários criativos e espontâneos. Sento no baloiço. Colocas-te de frente a mim, baloiçando e apertando-me contra ti. Inesperadamente começo a sentir-te de novo despertar. Surpreendes-te também e culpas-me, como sempre, pela habilidade mas eu nem hesito. Coloco-me a jeito para que a cada baloiçar comeces a entrar em mim. Assim se inicia uma maratona de posições, gargalhadas e  respirações ofegantes. Personificamos autênticos seres perversos e transpiramos. Cãibras surgem e é sinal de mudar a inspiração.

Decido revirar o sofá com a forma de lábios, vermelho, transforma-se em ergonómico. Peço que te acomodes na pele fresca. Não se revela muito confortável mas é um aliciante encaixe. Sento em ti e cavalgo-te. Domino o ritmo e a união profunda. Tu e eu somos um só em nova efusão de orgasmos inebriantes. Desmaiamos os corpos suados, colados e consumidos.
X-art.com
Não me parece que pelo excesso de consumo carnal entremos em jejum até porque mesmo satisfeitos ainda usufruímos um banho a dois bem terno. Somos amantes debaixo de agua em plena folia de Fevereiro!


Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…