Avançar para o conteúdo principal

Uma homérica comemoração

Natalis: A palavra usada no latim para aniversário, sem que a mesma tenha conotação religiosa na integra. Esta comemoração existe desde o Egipto antigo, inclusive, inicialmente o cristianismo recriminava este festejo por considerar pagão. Apenas no século 4, a Igreja começou a celebrar o nascimento de Cristo, o Natal.

Entretanto, obliterando dogmas, faço questão de celebrar aniversários! Homenagear mais um ano de vida vivido o mais intensamente possível e, se exequível, fazer disso um natal: rodeado dos mais próximos e com presentes à mistura. Ao fim de alguns anos de vida juntos, contagio o meu mais que tudo com esta filosofia.

Alegra-nos sentir as pessoas próximas, a união, sorrir em conjunto e partilhar momentos únicos. Assim, no que concerne a presentes o desafio da surpresa torna-se maior. Cada vez mais sentimo-nos realizados com poucos bens materiais. Sinto necessidade, a cada ano, de antecipar as preparações do aniversario do meu companheiro de vida. Estamos em ano de mel. A nossa relação está em pleno e lembro-me de ceder a algo que me é muito solicitado. Quer pelo pragmatismo dominante em mim, quer pelo dia a dia exigente, não consigo proporcionar o romancismo, demonstrar o quanto me é importante.

Adiciono ao raciocínio que também estamos numa fase em que apreciamos cada vez mais o conceito gourmet. Apuramos paladares, sensações e acreditamos que a degustação do momento é que o torna eterno. Com este pensamento, depressa decido onde será o jantar: ambiente quase familiar, remodelado em decoração vintage, tons suaves, madeira quente e cativante e musica de melodia suave. Alimentamos todos os cinco sentidos além de saborearmos autênticos petiscos e bom vinho. Falta-me o elemento surpresa. Inicio a procura de sugestões cibernéticas e instintivamente, o tema acaba por se tornar em luxuria.

Relembro umas férias bem relaxantes, rodeados de natureza e o usufruto de uma piscina em vários aspectos com mil e uma ideias ainda por concretizar. Após alguns dias de indecisão e até alguma frustração pela parca criatividade, neste instante, surge um plano impetuoso. Uma suite de um motel é o mote.
A semana foi terrível. Os dias pareciam ter 48 horas. Quando se aproximou o frenesim das preparações, surgiu o deleite tão desejado.

O tempo está primaveril, sugere um vestido subtil. Apenas a cor é apelativa ao momento: bourdeaux. Faço questão que não seja revelada a roupa interior, preto e bege com intenção de manter o glamour. Também fui eu que lhe escolhi a indumentária. De calça preta de sarja, de modelo justo que salienta as curvas traseiras e sweater elegante de algodão. Encontramo-nos no hall aprumados e apreciamo-nos mutuamente e firmamos a satisfação com um beijo.

Durante a viagem, o entusiasmo apodera-se de mim . Não espero o jantar e anuncio qual é a surpresa. O presente é o pós jantar. Sorrimos e agora estamos empolgados em simultâneo.

Tal como previsto sentimo-nos bem no restaurante, pequeno em dimensões mas enorme na arte de bem receber. Fomos questionados sobre qual era a comemoração e prontamente presenteados com mais uma garrafa de bom vinho. A noite tornou-se longa em sabores, conversa, riso e álcool. Perdidos na consciência temporal acabamos por deixar o excelente ambiente em hora de lua alta. Nos primeiros passos sentimos o peso dos excessos. Não estamos aptos para retomar viagem. Decidimos seguir até à beira mar, exige-nos caminhar um pouco e aproveitamos para namorar. Paulatinamente retomamos o discernimento. Contrariada assumo, não conseguirmos aproveitar a noite para usufruir do presente que haveria planeado. Irritada aceito terminarmos a noite assim.

Domingo acordo  lentamente. Desencaixo da concha do meu mais que tudo e preparo um café. Vou ver a luz da manhã enquanto o saboreio e recordo, com alguma acrimónia, os excessos que impediram a estratégia surpresa. Embrenhada no acordar lento, sinto um abraço no corpo nu. Um beijo de bom dia e um sussurro : "Vais vestir a lingerie de ontem e quero o meu presente!"

Sorrio, viro-me e beijo-o. A presenteada sou eu. É assim que me sinto. Sexo matinal é uma excelente forma de despertar. Desta vez, apenas mudaremos de local primeiro. Em poucos minutos estamos prontos e ainda sou invadida por um pensamento - devemos comer algo. Fruta é o ideal para um bom pequeno almoço, recomendam os entendidos mas, acrescento uma insânia - champanhe e chantilly.

Entrarmos na suite foi como se integrássemos um império. Tudo em tamanho XXL. A decoração é sóbria mas majestosa. Assim que chegamos ao primeiro andar a ternura que me abraçava torna-se animalesca. Arranca-me o vestido de surpresa. Empurra-me contra a cama kingsize alta. Fico de bruços. É assim que encarno a entrega. Afinal faço parte do presente e digo-lhe "Sou tua,é assim que me queres?"

Desliza a mão pela minha coxa direita, sob a meia de liga preta, até tocar por trás do joelho, dissuadindo o movimento de flexão sobre o colchão. Responde-me em tom autoritário à minha provocação - "Quero que subas!" - fico de cócoras, de rabo enfesto. Recebo caricias pela minha espinha, até que a mão afaga os glúteos empinados e solta uma palmada. Sorrio de volta, aprovando a postura. Agarra-me o cabelo e beija-me. Da boca continua pelo meu corpo. Vou estremecendo e recebo novo mandato: Tenho de estar quieta. Tira a t-shirt e mergulha a língua no meu centro de prazer. Assim, sem demoras! Gemo e seguro-me nos lençóis.
X-art.com
Sente-me inundar e sabe o prazer que me está a dar. As mãos que me desapertaram o soutien, invadem-me penetrando-me e fazendo me ansiar por mais. A cupidez torna-se cada vez maior e depressa somos um só. Em estocadas fortes no meio da cama gigante e fofa, extasiamos uma primeira vez. 

Os corpos estremecem libertando ainda a energia infrene e lembro que temos uma piscina à nossa espera. Digo que precisamos refrescar e dispo os poucos acessórios da indumentaria que sobraram no meu corpo : meias e sandálias de salto. Olho-o de sorriso no rosto, deitado ainda, e desafio a acompanhar-me. Responde que já se junta a mim, quer me observar primeiro.

Desço prontamente as escadas e mergulho na água morna. Adoro a sensação de liberdade, relaxamento imediato. Sinto-me eufórica e lépida em braçadas de lado a lado na piscina.Coloco-me sob a queda de agua e observo-te aproximar. Sentas nas escadas, nu vestido apenas com o mesmo sorriso de á pouco. Preciso do teu contacto de novo. Demonstrar-te o quanto estou em júbilo. Flutuo até ti, até sentar no teu colo. Namoramos e trocamos beijos ora ternos, ora tórridos. Reacendemos o desejo. Sinto a tua tesão crescente e puxo-te mais para dentro de agua. Iniciamos um "ritual de corte nupcial", como dois peixes, envolvidos um no outro. Encaixamos de formas nunca antes experimentadas: a flutuar, em flor de lótus, de costas, um autêntico kama sutra aquático.
X-art.com

Não lembro em que momento abandonamos a água, mas em determinado momento tivemos de pausar para renovar calorias perdidas. Os morangos estão deliciosos. Trouxe o chantilly mas é algo que não aprecio e comentamos as diversas formas de aproveitar a ideia. De repente estamos a gargalhar. Ele sugere usar a mistura de leite doce, com excesso de gordura, como lubrificante. Iniciamos nova brincadeira no sofá de viga. Fico besuntada em diversos pontos erógeneos, onde ele se lambuza e me mordisca. Não sei de onde vem tamanha humidade do meu ventre e até o meu mais que tudo se surpreende por tanta tesão. Saborei-o  enquanto abocanha e suga os meus seios, penetra-me com os dedos e diz-me que vai abusar de mim. Escorro licor.

Colocado no meio do sofá, afasta-me bem as coxas e entra em mim, continuando a gastar o creme de leite. Penetra o botão de rosa já, excitado por antever o desejo. Provoca-me a restante libido com penetrações lentas e profundas. Sai de mim e passeia o cogumelo flamejante no rabinho. Solto um desejo em ânsia - "Quero-te!" - Entra muito lentamente no ducto apertado e inicia um entra e sai que me desvaria. Toco-me e pede-me um clímax em conjunto. Extasiamos rapidamente, olhando nos olhos um do outro.
X-art.com

Falta muito pouco para a manhã terminar e com ela este jubilo.Esta é sem duvida uma inigualável comemoração. Voltamos à adolescência de tanto frenesim hormonal.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …