Avançar para o conteúdo principal

A chave é simplicidade...

Mais uma noite nos reencontramos. Um evento inicialmente calmo mas inesperadamente os ânimos se entusiasmaram. Mesmo assim, no meio do frenesim da pista, em horas altas, o sorriso de Nanda faz-me divagar. Relembro as memórias dos bons momentos em comum e toda a sedução improvável.

Faz pouco mais de um ano que fomos apresentados. Neste mesmo espaço, actualmente o nosso clube de eleição. Era noite de aniversário, casa cheia. Comemoração excelente para conviver, divertir, conhecer pessoas. Acabamos por usufruir toda a noite em conjunto sem que nada tivesse  sido planeado. Não nos largamos com desejo de usufruir de tanta empatia.

Sabia que os iríamos encontrar mas as expectativas eram muito diminutas, talvez não passássemos além de um "Olá". A imagem que Francisco me transmitiu em tempos, numa mera conversa online, fazia-me crer ser uma pessoa extremamente arrogante e presunçosa. Características, agora, completamente incompatíveis com o casal doce e desejado que se tornou. Desvantagens deste mundo virtual, principalmente para as mentes férteis que tentam imaginar o que estará para além de uma frase fria.

Nessa noite, não exploramos limites na intimidade, mas foi a primeira vez em que vontade não faltou logo no primeiro encontro. A voz melodiosa de Nanda, o sorriso e as curvas ideais escondidas no vestido preto subtil  superavam apenas um pouco a simpatia e alegria de Francisco, o cabelo sedoso de madeixas de charme, as mãos suaves e discurso coerente, assim nos seduziram com toda a naturalidade.
Já dizia Leonardo da Vinci - "A simplicidade é o último grau de sofisticação"- e, sem duvida, estes novos amigos demonstram a sapiência deste conhecimento milenar.

Hoje, as circunstâncias apenas nos possibilitaram a intensidade máxima a quatro numa dança no varão. É sempre muito fascinante cada momento destes. Nanda e Francisco foram "aprisionados" no centro da pista para que eu e o meu mais que tudo de forma ritmada e sensual os explorássemos. As minhas mãos passeiam por Francisco, enquanto o devoro com o olhar e abrando a tesão em beijos suaves pelo pescoço e boca. Do lado oposto Nanda recebe o mesmo carinho e dedicação. 

Quem nos incentivou para este cenário libidinoso não imagina que assim foi que firmamos o desejo entre os quatro num reencontro, poucos meses mais cedo. Na altura, o ambiente estava mais tranquilo mas entre nós estava instalado o frenesim da luxúria iminente. Assim que escapamos pelo labirinto entregamo-nos ao prazer sem muitas palavras trocadas.  

X-art.com
Os beijos exploradores de Francisco, as mão suaves a invadirem o meu vestido, enquanto de frente, bem coladinha a mim, tinha Nanda. Também ela recebia a mesma atenção do meu parceiro de vida. Vê-la perder a postura estava a endoidecer-me mais ainda. Ambas cedemos em beijos quentes, até que, surpreendentemente, me puxa o decote do vestido e abocanha um mamilo. Não verbalizei mas mentalmente  surgiu um impropério, pela mestria até então nunca sentida por uma mulher. Em simultâneo a mão de Francisco explorava a minha humidade e as respirações aceleravam em sintonia.

Decidimos continuar num quarto. Não havia mais pelo que adiar.
O quarto vermelho, a cama redonda, a cadeira erótica detalhes que apenas enalteceram a luxúria vivida nessa noite. Uma empatia a quatro inigualável. Muitas  vezes ja havíamos idealizado  tal cumplicidade mas ... Algo, na minha mente, difícil  de concretizar sem uma amizade sólida. Assim se quebram preconceitos. Nanda e Francisco perdem as maneiras delicadas para dar força a expressão de tesão. Francisco tem cheiro e sabor doce, tal como as mãos delicadas que me  e arrepiam a pele. Ver e ouvir Nanda ser possuída enquanto solta uma obscenidade em plena loucura é inesquecível e sempre fascinante por cada vez que repetimos. Simultaneamente era tomada por trás por Francisco na cadeira onde ambos tínhamos uma visão privilegiada da partilha  dos nossos amantes. Por isto e por muito mais é sempre difícil resistir quando nos juntamos. Hoje as circunstâncias criaram a resistência mas terá sido excepção.

Amigos de doçuras e loucuras, humanos, casal unido e naturais... simplesmente fomos seduzidos. O encanto repete-se por diversas vezes e desejamos que assim se mantenham os nossos encontros descomplicados e revigorantes.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…