Avançar para o conteúdo principal

Um Sonho: Sedução a três - Parte 2

....Estou em estado zen mas intrigada. Parou? Acabou? Foi bom, mas tão pouco!... Estes são os pensamentos que me invadem a mente e mantenho-me em silêncio.

Entretanto, sinto o calor dos corpos por perto de novo. Tenho carícias de novo, beijos leves, respirações sobre a minha pele, até que alguém sussurra ao meu ouvido : Queres mais? - Sem hesitação, digo - Quero!

Tenho umas mãos a segurarem nas minhas e sei que és tu a despertar um dos meus pontos erógenos sui generis, e dou por mim a gemer de novo. Ajudam-me a levantar e por momentos sinto ambos os corpos juntos ao meu. Percebo agora o que aconteceu anteriormente, estão nus, quentes e em êxtase. Estou em pé e...despertam-me a pele com uma boa palmada.

Continuo atada e vendada mas agora...uma necessidade visual é despertada e peço, quero vos ver. Continuam com sussurros maliciosos, ainda não! Não param de me beijar levemente e as mãos que me percorrem seguram nas minhas e aproximam partes de pele que me deixam tocar.

Sou empurrada levemente, contra o chão e mais uma palavra ao ouvido - ajoelha. Estou a adorar tudo mas agora eu prevejo o que vou dar, estou gulosa. Sinto que tenho á minha mercê os dois, bem ao nível da minha boca. Será este um dos poucos momentos em que posso demonstrar que ainda domino. Seguro ambos os sexos nas minhas mãos e à vez, ora viro-me para a direita, ora para a esquerda. Ora saboreio, ora degluto e vos faço gemer. Tecem comentários jocosos sobre a minha habilidade que lhes desperta um prazer descontrolado e vos silencia rapidamente. Quero fazer valer tudo o que sei que me dá prazer e a vocês faz delirar.

Sendo a primeira vez para o novo amante, pressinto que não vai aguentar. Agarra-me no cabelo com algum cuidado, e apanha-o todo, o que me entusiasma. Consigo imaginar o prazer que dou e empenho-me mais ainda. Sou presenteada com o licor das gonôdas e como suplica para parar, devido à extra-sensibilidade, ajudam-me a levantar.

Depois de uns sorrisos partilhados, tiram-me a venda. Adoro a troca de olhares cúmplices e estou a ser surpreendida de novo. Levantam-me uma perna e sou saboreada de novo. Desta vez não tenho tempo para me entregar, de repente, estas dentro de mim enquanto a língua que me saboreou passeia levemente pelos meus lábios ate um beijo longo. Ainda estou com os tacões, elegante mas acrobática, dão imenso jeito. Sinto um entra e sai lento mas intenso, enquanto desejo quem me acaricia também. Nem preciso falar, prevêem o que eu desejo. Tenho os dois em mim. Agora a empatia sente-se nos movimentos e eu deliro. Estou amparada pelos dois e não quero que acabe.

Entretanto, continuo com beijos e mãos por todo o lado. Tenho todos os orifícios a serem estimulados e tu dizes-me o que me espera. Eu quero! Temos um maple á nossa espera. O amante dos beijos que não quero que pare senta-se e oferece-me o colo. Faço-o entrar em mim lenta e profundamente e recebo mais uma daquelas palmadas que me estalam na pele e libido. Assim, sem demoras tu dominas o rabinho que tanto ansiavas. Chegam os dois ao clímax intenso e eu extasio com tanta testosterona. Deixamos os três corpos desmaiar e mantemo-nos assim por momentos de fusão de luxuria e prazer!

Imagens cedidas por X-ART.COM.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…