Avançar para o conteúdo principal

Vingança....Serve-se fria!

Acabamos o jantar. Hoje estas particularmente “esfomeado”. Tudo serve para uma metáfora libidinosa. 

Inicio as lides normais para arrumar a cozinha e, de repente, beijas-me de forma sôfrega. Tento escapar entre pratos que são colocados na máquina. Baixas-me as alças do vestido e abocanhas um mamilo que esta excitado com o teu desejo. Apronto-me e coloco-te rédeas. 
Viro-me e encostas-te a mim num abraço quente de forma a que eu sinta o teu tesão. Enquanto me beijas o pescoço e o ombro cedo ao desejo e ponho-te a mão no pau duro dentro das calças. Não resisto a massajar levemente. A esta minha loucura respondes de forma abrupta. Inclinas-me, levantas-me o vestido e penetras sem demoras. Gemo, endoideço mas ao mesmo tempo tento recuperar o raciocínio.

Assim...tão esfomeado?!?! Peço-te para aguardares só mais um pouco. Nem acreditas no corte mas aceitas.

Responsabilidades assumidas, afazeres prontos, como em qualquer dia normal, sentamos no sofá. Comentamos noticias e vemos novidades virtuais. No entanto, acho que te estas a vingar. Não me pronuncio mas questiono-me – Para onde foi o desejo e o tesão? - Estou entediada porque esperava continuação do que já tínhamos começado.

Desligo todos os meios de comunicação e decido, hora de deitar. Interpelas-me com um - ainda não! Agora é hora de me vingar! Quero te saborear como sobremesa! - Dizes-me com fogo ardente no olhar e cedemos a um beijo apaixonado. Como se a sede estivesse satisfeita, agora degustas a minha pele com os teus lábios quentes. no pescoço mordiscas e beijas o ombro...hummm...solto um primeiro gemido. Tento encaixar o meu corpo no teu mas desejas ser tu a decidir o ritmo. Agora estas lento, alguma tortura lubrica. Adoro te sentir ter prazer com o meu corpo. As tuas mãos navegam por mim e fazem me arrepiar. Chegas ao meu sexo, beijas delicadamente do meu V ao meu centro, Chupas o clitóris em êxtase e sopras. sinto cada vez mais a vingança. Já não te consigo olhar, apenas sinto a mestria da tua boca e os teus dedos que me exploram. Peço-te que não pares e quando quase atinjo o clímax por estar duplamente penetrada e chupada, eis que algo me surpreende.

Na Grécia antiga a cenoura era considerada afrodisíaca.
Rica em betacaroteno, percursor da vitamina A que ajuda
a produção de hormonas sexuais!
Algo gelado entra em mim! Primeiro onde mais me dilato de prazer mas logo de seguida no botão de rosa que desabrocha sem dificuldade. Não aguento! O prazer é intenso e suplico-te de forma de perversa - Fode-me!Quero-te!

Sem tempo para recuperar o norte pelo clímax impetuoso, tomas-me tua num ritmo forte de desejo! Algumas investidas de corpos colados e viras-me. consomes-me ate á exaustão! desmaiamos os corpos satisfeitos e sussurras-me - Bendita cenoura que me vingou!

Comentários

  1. vendo cenoura e vingança, passa-me umas ideias "mazinhas" pela cabeça... mas enfim isso sou eu e o meu feitio ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …