Avançar para o conteúdo principal

Uma voyeur de um romance

Hoje não quero ir ver o mar. Preciso de um almoço mais sereno. A época alta começou e à beira mar tem confusão a mais para um descanso merecido de sexta-feira. Há quem me inveje por poder relaxar todos os dias com o som das ondas, a brisa marítima, mas nesta altura do ano este frenesim incomoda mais do que beneficia.

Vou até ao parque. Trouxe um almoço leve e preciso relaxar ao fim de uma semana exaustiva. Enquanto espero que a viatura da frente entre no estacionamento começo por delinear o que vou fazer para aproveitar esta hora e meia.

Estaciono e recolho tudo o que preciso para a minha mochila: um livro, o telemóvel e o almoço. Ao fechar a porta do carro sou surpreendida pelo casal do carro que veio à minha frente. Estão entre beijos fervorosos e até eu ruborizo por ter sido apanhada numa pausa entre línguas. Ele de olhar cristalino imediatamente foge do meu olhar e cora, mas ela, tem um olhar de mel, quente e observa-me a afastar. Ambos comentam algo e eu desvalorizo, ajo como se nada tivesse acontecido.

Faço uma caminhada de passeio pelo parque. Inspiro o ar de verão com mistura de maresia e verduras. Esta um sol que não queima mas aquece pelos 26ºC em pleno auge. Como já é normal nestas alturas há mais movimento de pessoas. Escolhem o mesmo espaço para um descanso da pele nas horas impróprias de sol e também há passageiros estrangeiros que tanto apreciam a nossa possibilidade (portuguesa) de usufruir de mar e campo em tão pouca distância.

Sento do lado mais oeste, depois da travessia do pequeno riacho. Aqui consigo a calmaria que procuro e observo toda a paisagem.
Aproxima-se o casal de a pouco. Passeiam pelo percurso pedonal e, apesar da aparente idade adulta, parecem mais dois teenagers. Estão apaixonados. Abraçam-se e beijam-se intensamente como não se vissem à imenso tempo mas, no entanto, denota-se uma cumplicidade de quem se conhece muito bem. O percurso vai ser longo pois distraiem-se mais um no outro, do que em caminhar. Fazem-me sorrir por cada paragem, a cada três passos, enquanto almoço a minha salada de massa e queijo fresco.

Tento me abstrair dos amantes com outros transeuntes. Está difícil! Eles não me vêm mas estão quase em frente a mim do outro lado do rio . Ele é alto, discreto com umas calças de ganga e t-shirt azul que condiz com o olhar que ainda me recordo. Ela está elegante com um vestido lilás que lhe assenta nas curvas e as sandálias a condizer de salto complementam o bom gosto.

Refugiam-se no miradouro romano e acham que ninguém os vê porque, nesse exacto momento, transformam-se para demonstrar a fome que têm um do outro. Colam as bocas um no outro e apertam-se e acariciam-se como se estivessem a saciar-se. O almoço deles é este! Um misto de doçura e agressividade de toques. As quatro mãos navegam pelos corpos. Ela é arisca e desaperta-lhe as calças. Ele responde puxando o decote do vestido e abocanhando um seio. Toda a indecência me está a aquecer e inquietar mas nem me movo, estou maravilhada com o romance.
Ela senta no banco de pedra e fica ao nível do sexo a descoberto agora. Ela abocanha-o docemente enquanto ele apanha o cabelo dela de forma suave. Ele olha-a e geme. Retiro os auscultadores e desanimo. Não os ouço. Apenas imagino os gemidos pela expressão dele, pela contorção do seu corpo. Ele esta a deliciar-se com a mestria dela mas bruscamente puxa-a para si. Mais um beijo eloquente, agarra-a pelas nádegas e eleva uma perna que ela pousa de forma sensual o tacão no beiral da pedra secular. Ele baixa-se e só de imaginar o que a sua língua lhe faz contraio também o meu interior.

Ela segura-lhe na cabeça com vigor. Está enlouquecida e diz-lhe algo. Os movimentos bruscos continuam. Ele eleva-se encosta-a à parede, levanta-lhe o vestido e eu surpreendo-me. A roliça elegante está sem roupa interior. Pergunto-me se este encontro terá sido premeditado. Ele solta de novo o seu tesão das calças e toma-a sua enquanto lhe mordisca e sussurra algo ao ouvido. Estou envolvida com tamanho erotismo e sensualidade. Definitivamente eles estão entusiasmados!

Tanta paixão é interrompida. Um casal de atletas correm por perto e eles recomponhem-se. Estão ternos de novo e sorridentes. Contagiam-me e sorrio também por partilhar secretamente esta aventura.

Constatam o espaço livre olhando pela paisagem. Vêem que um grupo de jovens está num piquenique longe e ele atreve-se a colocar-lhe as mãos de novo dentro do vestido. Ela cola-se mais a ele enquanto o empurra contra o banco de pedra, obrigando-o a sentar. Ela senta no seu colo. Esta mulher é fogo!

Monta-o primeiro, lentamente, até se tornar intensa e o forçar a segurá-la. Ele impede-a de se mover, abraçando-a contra si pela cintura. Trocam um beijo quente e um olhar mais intenso ainda. Colam testa com testa, sorriem e falam algo que para minha desilusão não percebo. Ela sai do colo dele. Os movimentos bruscos ainda continuam. Ele faz com que ela suba no banco e levanta-lhe o vestido de novo. Acaricia toda a sua anca desnudada. Ela coloca-se de cócoras e ele devora-a com estocadas fortes e submetendo-a a segurar-se nos braços dele.

Com o barulho de uma família por perto são obrigados a parar de novo. Apetece-me incentivar – estão livres. Eles certificam-se, mais uma vez, do espaço livre. Ela olha-o lânguidamente e baixa-se tornando a saboreá-lo até que ele se contorça e a segure com força nos ombros. Ela rapidamente se atira a um beijo demorado. Estou atónita com tanta libertinagem do momento. A partilha dos dois humedece-me e altera-me a respiração. Ele absorve cada gota remanescente no canto do lábio dela e abraçam-se.
Ele olha o relógio, trocam uns sorrisos e palavras e afastam-se. Repito e solto um impropério ao ver as horas. Definitivamente relaxei demais e distrai-me. Fui voyeur por hora e meia e agora está na hora de voltar a mais uma tarde de trabalho!

Imagens cedidas por X-art.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …