Avançar para o conteúdo principal

Pijama pueril

Chegaram as noites frias. Com elas a procura do conforto nas roupas acolhedoras e a volta aos pijamas pueris. Feminismo dissimulado no pijama algo cómico mas confortável, embrulho-me numa manta no sofá enquanto espero o teu regresso a casa de mais um dia. 

Está frio mas não para as minhas hormonas. É daquelas noites em que anseio que chegues. Estou esfomeada e não é de alimentos. A televisão não me entretém. Ligo o computador e navego pelo mundo virtual sem destino. Actualizo noticias. Leio novidades de quem publica e vou ao chat. Depressa me arrependo. Estou com a mente demasiadamente libidinosa e o meu perfil pode ser confundido com a vulgaridade. Provoco algumas piadas, alguns leitores mais ávidos que percebem o meu refúgio e decido sair. Preciso de algo mais que leitura. 

Olho as horas. Estou inquieta pela consciência que ainda faltam uns momentos a sós. Decido ir a um site porno. Desejo saciar a vontade de toque, hoje está a consumir-me. Depois de procurar um terceiro filme, quase de forma instintiva, toco-me. Sinto os meus seios inchados, os mamilos rijos, a minha pele está suave. Coloco a mão por cima do pijama, no meio das coxas. Sinto o meu cheiro húmido. Apesar de desejar evitar o toque descubro um orifício no pijama que me faz sentir a vulva intumescente. Não condeno de maneira nenhuma o namoro com nós próprios mas não quero ceder dessa forma. Desligo o site que me conspurca mais a mente e faz incendiar o corpo. 

Pego no telemóvel. Verifico que está quase na tua hora e decido provocar-te por sms: 
- Estou faminta. Não te distraias no caminho. – respondes quase de seguida - queres que leve um hambúrguer? - acho que estás a ironizar como sempre e decido ser objectiva:  Tenho fome de ti! Anda! 

Tento me distrair com zapping. A televisão esta cada vez mais monótona. Vou-me dedicar a algo útil: casar meias. Algo entediante para dispersar a luxuria mental. 

Quando chegas a casa não vens me cumprimentar como habitual. Vais à cozinha. Arrumo tudo à minha volta e vou ao teu encontro. Estás a comer algo e sorris quando me vislumbras. Divertido dizes-me com um olhar depravado – primeiro tenho de me alimentar para saciar essas hormonas. Não me olhes assim! Aconchego-me em ti. Preciso mesmo te sentir. Beijamo-nos e trocamos um boa noite. Afasto-me e em jeito de informação digo – “espero-te na sala”. 

Demoras menos do que esperava. Sentas e nem te dou espaço. Colo-me a ti sentando-me no teu colo. Continuo a beijar-te enquanto me movo para te sentir, E sussurras ao meu ouvido – ainda nem te toquei e esses mamilos quase saltam! – sorrio e respondo que nem precisas tocar. Deslizo por ti até ajoelhar no chão. Abro o éclair das tuas calças e quase sou surpreendida pelo teu tesão já desperto. Trocamos olhares cúmplices porque sabes o que te vou fazer. Demonstrar a minha gula com mestria. Endurecer-te e espicaçar mais o meu desejo. Cada suspiro teu humedece-me. 

Não aguento mais. Estas no ponto que me faz querer sentir-te e ocorre-me como posso te surpreender. Subo para o teu colo. Beijo-te intensamente enquanto mergulhas as tuas mãos dentro da minha blusa para me sentir os seios. Coloco uma mão no teu sexo e encaixo-o em mim pelo rasgão descoberto mais cedo. Gemes de prazer e surpresa e eu cavalgo em ti . Primeiro lentamente até me sentires bem. 

Adoro encaixar em ti em profundidade. Aumento a intensidade e dizes o quanto te estou a endoidecer. Movimento-me em estocadas fortes e esqueces-te que um – pára, que não vou aguentar – para mim, funciona exactamente ao contrário. Faço-te chegar ao clímax enquanto te olho e me delicio com o teu prazer. 

Ainda o teu corpo treme mas, decides tomar as rédeas. Com um movimento brusco, jogas-me no sofá. Tenho a anca virada para ti. Puxas-me o pijama para baixo. Fico empinada e só entras com a pontinha do teu membro em mim, fazendo me desesperar. Ordenas: - toca-te e sente bem lento. Ainda não me tiraste o vigor, vem-te para mim agora! 
Sussurro que está tão bom. Sinto-me expandir e contrair e cedo a um êxtase que te faz entrar em mim com toda a força. Agarras-me pela anca enquanto me sentes convalescer. 

Vamos ao banho? – convidas. Encaixados na banheira, comento – não sei se coso o pijama – soltamos uma gargalhada e concordas.

Imagens eróticas cedidas por x-art.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…