Avançar para o conteúdo principal

Por do sol adiado

Estamos todos empolgados com mais um encontro! Adoro estes dias de êxtase antecipado, provocação constante, as hormonas em reboliço. Desta vez, vamos relaxar num final de tarde, depois de um dia de trabalho. Conversar, rir, seduzir e deixar-me ser surpreendida como vocês tanto gostam.

Mas...por instantes tudo se esvaece. O carro logo pela manhã, o primeiro aviso, uma avaria de conserto demorado. Decidimos ser optimistas e desvalorizar. Depressa alteramos os planos e combinamos ir só num carro. A vontade em estarmos juntos é imensa. As sms constantes provocadoras estão a deixar-me desconcertada a desejar que as horas corram.

Planeamos ver um por do sol numa esplanada antes do jantar, o que significa que tenho o tempo apertado. Chego a casa e corro para o banho, logo o marido liga. Um imprevisto e vai ter de ficar até mais tarde. Uma espécie de ira me invade. E agora? Além de todo o desejo, ter de desmarcar...

Autêntica menina birrenta. Depressa o lado masculino objectivo soluciona, diz-me o marido - não desmarques! Tomam um café enquanto eu chego. Um frenesim apodera-se. Um misto de emoções e questões me apodera a mente. Não sei se será a melhor ideia. Aqui, no meu canto, resistir a só um café, só conversa...será possível?

Antes do banho, ligo ao nosso amigo. Já a caminho, fico sem coragem de cancelar. Ainda penso, e se...ficarmos no café ao pé de casa... mas, o subconsciente rende-se ao desafio e proponho:

-Quando chegares, sobes!- É a minha vez de surpreender, penso - Vamos estar a dois um tempo enquanto o marido não chega. 
- Tens a certeza? Questiona. 

Já nos conhecemos há algum tempo e apesar destas aventuras comuns, o respeito está sempre presente. Estamos receosos porque ambos sabemos o quanto estamos desejosos um do outro e resistirmos será talvez penoso. Mesmo assim...Quero!

O nosso amigo ainda tem uns kilometros pela frente e eu decido, finalmente, ir ao banho...desde o telefonema as sms não param. Parecemos teenagers numa aventura nova. Sem pensar muito provoco-o mais ainda, a contar com o seu saber estar, com a ponderação que o caracteriza e que eu tanto aprecio. Talvez esteja enganada....

Chega mais rápido do que o previsto, visto um vestido leve de alças, depois escolho melhor a vestimenta. Vou pressionando o marido, mas, sem sucesso. O atraso mantém-se e sem previsão. Ironiza: - se eu demorar muito, entretenham-se!- Sempre o mesmo a espicaçar-me. Abro a porta pelo video porteiro e depressa ele chega ao meu andar. Com um borbulhar interno abro a porta e sorrio um olá. Arrebata-me! Fecha a porta de rompante e beija-me intensamente. Interrompo e peço que pare! Mas devo estar com o olhar a dizer o contrario, porque me tapa a boca e diz - provocas-te por isso....

Não me larga a boca! Deixa-me sem ar e as suas mãos exploram o meu corpo. Com os corpos bem colados sinto já o seu desejo eminente. Vamos deslizando para a sala e repentinamente volta-me. Beija-me o pescoço, arrepio-me. Os seus dedos ja descobrem a humidade que me provoca. Solto um gemido contido. Afasta as alças do vestido e desnuda-me os seios. Primeiro com as mãos e depois com a boca quente, aperta-os, saboreia e chupa ate que os mamilos enrijam. Ainda não estou rendida. Momentaneamente tento controlar-me. Ele não me deixa, dá-me uma valente palmada e diz ao ouvido de forma segura: Está quieta!

Dobra-me nas costas do sofá e de novo arrepia-me. Autêntico cientista a repetir a descoberta, pela nuca, até as costas...beijos lentos, mãos atrevidas que eu tento segurar mas derretem-me. Sinto-me manteiga. Afasta-me as pernas. Senta-se no chão, sobe-me o vestido e continua os beijos pelas coxas, virilhas ate se tornarem eloquentes linguados no centro do meu prazer! Tenho de conter os gemidos mas estou a delirar.

Os dedos exploram o meu desejo e faz-me soltar um - não pares - surpreendendo-me a mim mesma. Quase me faz vir, mas ao ouvir um sussurro meu – Quero-te!- sem mais demoras domina-me com todo o tesão que o apodera. Quero forte e ele sabe! As mãos agarram-me nos ombros e logo de seguida no pescoço. Levanto uma das pernas para o sentir mais dentro de mim e após uns minutos (que me parecem segundos)...uma energia extra faz-me prever o clímax. Os corpos desmaiam mesmo em pé! Rendidos a tanta intensidade.
Pergunto e agora já bebes algo? Rimos e vamos nos recompor. Entretanto pego no telemóvel que recebeu uma sms: Espero que não estejam muito entretidos, 15 minutos e já chego! O marido! Um misto de emoções. Chego ao pé do amigo com uma loira fresquinha e comento o quanto ele foi mau! Mau?? - diz ele. Não me parece que estejas a ser sincera.

Mau, realmente não foi mas...quero mais - digo eu com o sorriso provocador. Não sou menina de momentos expressos e isto é foi só a entrada. Beijamo-nos de novo e entra o marido. Com o sentido de humor que tanto me apaixona, diz- podem esperar só mais uns minutinhos ou querem banho a três? Respondo que esperamos e desta vez domino os meus desejos!

Com um misto de sensações deixo o amigo a refrescar-se com a loira e vou ter com o marido ao banho. Sento-me a vê-lo refrescar, gosto desta cumplicidade de conversas. Costuma ser como foi o dia ou, a partilha de alguma novidade mas por agora estou só a admirar, um pouco calada. Ele conhece-me e diz- já aprontas-te ou vais aprontar. Estou indecisa se conto ou não. Decido não o fazer por enquanto, tenho os pensamentos trôpegos e desejos muito mais ardentes que não me libertam o raciocínio. Peço-lhe que não se vista. - Vem ter a sala assim que termines. Ele ri e concorda.

Chego a sala onde tenho o atrevido surpreendente que me olha com um sorriso. 

- Ainda não me vesti,- digo eu, e complemento - e não me parece que o vá fazer tão cedo. Ele satiriza- Aí sim? Desmarcas o por do sol? Respondo com um beijo prolongado e um…que achas?

Agora sou eu que não te dou espaço nem para respirar, quanto mais falar. Vou removendo peça a peça de roupa e ouço os passos do marido. Tenho um de toalha e outro de boxers. O amigo sentado à minha frente e o marido de pé. Estou ajoelhada e um autêntico manjar me espera!
Imagens cedidas por x-art.com

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …