Avançar para o conteúdo principal

Verdade ou consequência - Parte 1

Sempre que estamos juntos o tempo é efémero. Temos sede de nos conhecermos em todas as vertentes. Temos uma empatia como nunca imaginámos sentir a quatro. Sorrimos muito e falamos como se tivéssemos novidades constantes a partilhar. Conversa de teor sério, num instante, são uma autêntica piada. Tornamos os temas leves. Somos amigos íntimos desde o primeiro encontro. 

Desta vez, decidimos que queremos usufruir de um serão mais intimista de acordo com a nossa amizade. Um jantar preparado por todos. A Mariana tratará das entradas, Lucas do vinho, nós do jantar e sobremesa. Uma boa refeição, lareira acesa em boa companhia e uma noite longa são apenas os requisitos. Perguntam como tencionamos tornar a noite longa. Depressa respondo que sugestões não faltam. Vamos conjugar o nosso lado lúbrico de adultos ao pueril com jogos de inverno. 

Ao final da tarde os quatro reunidos na cozinha para os preparativos. Autêntica paródia. Temos música e aproveito para ensinar à Mariana kizomba como prometido. Este pequeno momento permite-nos (mulheres) sentir mais próximas e soltas. Os homens deliciam-se com o espectáculo e até tentamos uma bachata a 4. E pronto, já se sente sedução no ar.
Os homens tratam das bebidas e da mesa enquanto eu e a Mariana nos entretemos com os paladares e cheiros que nos aumentam o apetite. Vamos petiscando porque os senhores se encarregam de nos alimentar. O meu mais que tudo abraça a Mariana e dá-lhe a provar meloa com salame - uma iguaria de sabor inesperado. O alegre Lucas encosta-se a mim a apreciar o cozinhado e cheira-me fazendo uma piada sobre apetites enquanto me deixa bebericar do favaios com cerveja. 

Os divertidos deixam-nos para tratarem de acender a lareira. Ficamos as duas numa conversa mais amena mas de alguma forma sensual. Não resisto contar à Mariana as confidências do Lucas acerca das fantasias de ambos. As mesmas fantasias que me incendeiam e que originaram uma conversa muito eloquente num destes serões. Ela confirma e cora. Tímida ainda no tema origina uma reacção que me encanta. A timidez dela torna-me atrevida. Solto uma pergunta inesperada : "gostavas que te beijasse? Mariana devolve-me a surpresa, encostando-se a mim lentamente com uma retórica: - "De que esperas?" 
Cedo. Toco-lhe de leve com os meus lábios nos dela. Ambos quentes, ambos doces e ternos. Um primeiro beijo terno e logo de seguida, um segundo intenso. Seguro-lhe na nuca, de forma a estarmos bem coladas, e invado a sua boca com a minha língua. Saboreamo-nos numa volúpia de línguas, lábios e mordidas carnais. O tempo pára naqueles breves segundos mas somos interrompidas pelos risos dos homens no corredor. Voltámo-nos em silêncio para o balcão sorrindo uma para a outra de forma cúmplice. 

O ambiente efusivo mantém-se durante o jantar. Existe uma provocação constante entre todos. A alegria neste convívio é hiperbólica mas, de alguma forma, já esperávamos que assim fosse. Temos jazz como musica ambiente que combina com a libido no som de cada piada sarcástica dos homens ou nos olhares devoradores. Possivelmente o álcool começa a dar ares da sua graça quando o atrevimento se torna mais intenso no fim da refeição. 

Decido partilhar como tenciono prolongar a noite e conhecermo-nos um pouco mais. "Pensei em jogos" – digo eu. O meu marido já sabe dos planos mas nem por isso me interrompe. Contínuo bastante atrevida e ele adora apreciar-me assim. Trouxe umas cartas. Vamos competir um jogo de copas. A ideia será swingar com cartas. As equipas serão os casais trocados. Gargalhada generalizada como aprovação. Lucas solta a sua criatividade e junta uma regra - “ quem perder despe” Depressa se inicia uma discussão sobre as regras. As mulheres não querem facilitar e apenas cedem uma peça de roupa por perda. Além disso, quando ficarmos em roupa interior acaba-se o jogo. Tudo negociado!
O jogo é renhido e divertido como previsto. Os seres femininos nada preocupados com estratégia mas com a sorte de principiantes tornam o fim da diversão mais lento. Quando a todos só falta uma peça de roupa já se questiona qual o próximo jogo.

Nesta altura já existem mãos atrevidas, já existem aconchegos apesar de desnecessário porque a temperatura oferecida pela chama da lareira está óptima. Decido reduzir a ansiedade…ou não...dizendo -  “vamos jogar a verdade ou consequência”.

As ultimas quatro jogadas foram um pouco trapaceiras de forma a antecipamos o próximo jogo.  A atenção no jogo das cartas dissipou-se. O tema é a discussão das próximas regras. Definitivamente estamos todos empolgados. Voltamos à adolescência. Reforço a ideia que tencionamos nos conhecer porque a vestimenta e as mentes libertinas já só sugerem consequências bem eróticas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …