Avançar para o conteúdo principal

Verdade ou consequência - Parte 1

Sempre que estamos juntos o tempo é efémero. Temos sede de nos conhecermos em todas as vertentes. Temos uma empatia como nunca imaginámos sentir a quatro. Sorrimos muito e falamos como se tivéssemos novidades constantes a partilhar. Conversa de teor sério, num instante, são uma autêntica piada. Tornamos os temas leves. Somos amigos íntimos desde o primeiro encontro. 

Desta vez, decidimos que queremos usufruir de um serão mais intimista de acordo com a nossa amizade. Um jantar preparado por todos. A Mariana tratará das entradas, Lucas do vinho, nós do jantar e sobremesa. Uma boa refeição, lareira acesa em boa companhia e uma noite longa são apenas os requisitos. Perguntam como tencionamos tornar a noite longa. Depressa respondo que sugestões não faltam. Vamos conjugar o nosso lado lúbrico de adultos ao pueril com jogos de inverno. 

Ao final da tarde os quatro reunidos na cozinha para os preparativos. Autêntica paródia. Temos música e aproveito para ensinar à Mariana kizomba como prometido. Este pequeno momento permite-nos (mulheres) sentir mais próximas e soltas. Os homens deliciam-se com o espectáculo e até tentamos uma bachata a 4. E pronto, já se sente sedução no ar.
Os homens tratam das bebidas e da mesa enquanto eu e a Mariana nos entretemos com os paladares e cheiros que nos aumentam o apetite. Vamos petiscando porque os senhores se encarregam de nos alimentar. O meu mais que tudo abraça a Mariana e dá-lhe a provar meloa com salame - uma iguaria de sabor inesperado. O alegre Lucas encosta-se a mim a apreciar o cozinhado e cheira-me fazendo uma piada sobre apetites enquanto me deixa bebericar do favaios com cerveja. 

Os divertidos deixam-nos para tratarem de acender a lareira. Ficamos as duas numa conversa mais amena mas de alguma forma sensual. Não resisto contar à Mariana as confidências do Lucas acerca das fantasias de ambos. As mesmas fantasias que me incendeiam e que originaram uma conversa muito eloquente num destes serões. Ela confirma e cora. Tímida ainda no tema origina uma reacção que me encanta. A timidez dela torna-me atrevida. Solto uma pergunta inesperada : "gostavas que te beijasse? Mariana devolve-me a surpresa, encostando-se a mim lentamente com uma retórica: - "De que esperas?" 
Cedo. Toco-lhe de leve com os meus lábios nos dela. Ambos quentes, ambos doces e ternos. Um primeiro beijo terno e logo de seguida, um segundo intenso. Seguro-lhe na nuca, de forma a estarmos bem coladas, e invado a sua boca com a minha língua. Saboreamo-nos numa volúpia de línguas, lábios e mordidas carnais. O tempo pára naqueles breves segundos mas somos interrompidas pelos risos dos homens no corredor. Voltámo-nos em silêncio para o balcão sorrindo uma para a outra de forma cúmplice. 

O ambiente efusivo mantém-se durante o jantar. Existe uma provocação constante entre todos. A alegria neste convívio é hiperbólica mas, de alguma forma, já esperávamos que assim fosse. Temos jazz como musica ambiente que combina com a libido no som de cada piada sarcástica dos homens ou nos olhares devoradores. Possivelmente o álcool começa a dar ares da sua graça quando o atrevimento se torna mais intenso no fim da refeição. 

Decido partilhar como tenciono prolongar a noite e conhecermo-nos um pouco mais. "Pensei em jogos" – digo eu. O meu marido já sabe dos planos mas nem por isso me interrompe. Contínuo bastante atrevida e ele adora apreciar-me assim. Trouxe umas cartas. Vamos competir um jogo de copas. A ideia será swingar com cartas. As equipas serão os casais trocados. Gargalhada generalizada como aprovação. Lucas solta a sua criatividade e junta uma regra - “ quem perder despe” Depressa se inicia uma discussão sobre as regras. As mulheres não querem facilitar e apenas cedem uma peça de roupa por perda. Além disso, quando ficarmos em roupa interior acaba-se o jogo. Tudo negociado!
O jogo é renhido e divertido como previsto. Os seres femininos nada preocupados com estratégia mas com a sorte de principiantes tornam o fim da diversão mais lento. Quando a todos só falta uma peça de roupa já se questiona qual o próximo jogo.

Nesta altura já existem mãos atrevidas, já existem aconchegos apesar de desnecessário porque a temperatura oferecida pela chama da lareira está óptima. Decido reduzir a ansiedade…ou não...dizendo -  “vamos jogar a verdade ou consequência”.

As ultimas quatro jogadas foram um pouco trapaceiras de forma a antecipamos o próximo jogo.  A atenção no jogo das cartas dissipou-se. O tema é a discussão das próximas regras. Definitivamente estamos todos empolgados. Voltamos à adolescência. Reforço a ideia que tencionamos nos conhecer porque a vestimenta e as mentes libertinas já só sugerem consequências bem eróticas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…