Avançar para o conteúdo principal

Um banho em lascívia

Os dias têm sidos extenuantes. A entrada do Inverno, acréscimo de trabalho, enfermidades da época, tomam o nosso tempo e disposição leve esvanecidos. No entanto, é nestas alturas em que todos os pequenos momentos se tornam intensos de demonstração de afecto, de união. 

Mais um dia de trabalho e um desafio para um banho a dois antes do convívio que nos espera. Adoro sentir a água, elemento de relaxamento físico e mental. Entras e colocas-te colado a mim debaixo do chuveiro forte de água quente. Trocamos carícias, quase de forma instintiva. Banhamos-nos lentamente enquanto os nossos corpos atritam. Peço que não me provoques. Não temos muito tempo para brincadeiras e eu já te sinto algo a erguer-se.

Desafias para apenas uns toques. Só sentir, dizes-me tu, estás com vontade de erotismo. A minha pele é a razão dessa vontade inesperada. Cedo com alguma facilidade, basta um beijo. Abraçados encaixamos e sinto algo quente que entra pelas minhas coxas. Depois de um bailado lento em conjunto viras-me. Continuamos, debaixo de água que fomenta a humidade no meu interior e a tua entrada em mim lentamente. Estamos mais quentes que a própria água que vaporiza.

Gemo com a tua penetração. Sabes o quanto me fazes desejar-te apenas em minutos. Torturas-me com um entra e sai, sentido a cada centímetro. Estás rijo e eu deliro. Entrego-me aos desejos. Empino mais ainda para que o meu corpo se ofereça por si só. Continuas em ritmo lento e a gemer também. Ajoelho-me. Quero ser tua. Acompanhas-me nos movimentos sem sair de mim. Agarras-me na anca e contenho um gemido mais forte. Dobraste sobre mim e dizes-me o quanto eu te excito, assim, oferecida. Essas palavras soltam a obscenidade na minha mente e suplico-te um - Fode-me!
Umas estocadas intensas e estamos em êxtase. Ao fim de alguma habilidade corporal tua sobre mim. Dizes-me que não aguentas muito mais. Estás a endoidecer. Perguntas onde quero sentir o teu licor. Ofegante quase não respondo mas exiges: "Diz-me, hoje quero que digas!" 

De alguma forma espoletas a safada que gosto de ser nestas alturas. Com um olhar bem provocador, obedeço: "Quero-te na minha cara!" Encarnamos a luxuria em pleno! Adoro estas surpresas do momento! Ajoelho-me e abocanho-te. Sinto o teu pulsar e as tuas palavras instigadoras estão a ensandecer-me. Sinto-te na boca endurecer mais ainda e faço-te explodir sobre mim. Delicio-me com o quente e abundante licor que me banha. Não resisto a saborear-te novamente mas suplicas que pare. Estás sensível.
Unimo-nos em beijos debaixo da agua que nos limpa e sussurro-te que não acabei.

Deito-me abrindo as minhas pernas. Quero que me vejas. "Chega-me o chuveiro" ordeno-te de tom indecente. Sabes o que vou fazer e aproximas-te para me tocar. Digo-te que não. Quero-te saborear mais uma vez. Acrobaticamente, assim cedes e quase desabrocha em mim um clímax, interrompido pelos movimentos de equilíbrio. Desistimos de tanta astucia corporal e ajoelhas-te no meio das minhas pernas. Tocaste e tocas-me, penetrando-me com os teus dedos. Em conjunto com a estimulação do chuveiro, deflagra o meu orgasmo intenso.

Entorpecida, ouço-te perguntar se te quero dentro de mim. Gesticulo apenas em consentimento. Novamente a lentidão que te faz sentir o quanto estou húmida, transformam-se em embatidas intensas de corpos que se desejam. O chuveiro que ficou esquecido no meio interrompe pelo desconforto. Levanto-me mas viro-me de novo. Voltamos ao inicio. Sussurras que se continuo vais explodir de novo. Para mim, incitante respondo com um - Vem-te! - Tomas-me tua e intensamente perdes-te em mim.
Imagens cedidas por x-art.com
Um Feliz e Voluptuoso 2016!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…