Avançar para o conteúdo principal

Açorada em viagem

Existem várias teorias, pesquisas, opiniões sobre as mudanças hormonais que ocorrem pela alteração de estação, pelo aumento de temperatura, pela maior disponibilidade de sol. Como mamíferos que somos, confirmamos sentir esta mutação sazonal. No nosso caso essas alterações favorecem os passeios e viagens mais frequentes. Sentimos uma necessidade premente de sair, de respirar ares fora do habitual, de usufruir da natureza mas, existe uma dissidência: detesto viagens longas!

Em tempos li algo como "A pessoa ideal não existe. Existem os defeitos que consideras ideais!" Defeito teu: adoras conduzir sem destino. Defeito meu: detesto viajar sem destino. Eu cedo na viagem e tu cedes a caprichos meus. Afinal estar num relacionamento é ceder, conscientes de quanto podemos agradar com um simples gesto.

Apesar deste contrassenso de defeitos, na realidade, admito: existe sempre algum beneficio que desvaloriza a viagem longa. Satisfaço caprichos de diabrete. Adoro provocar-te a desconcentração na condução. Uns beijos no pescoço e o alerta é espoletado. Sorrimos cúmplices. Espero cada pedacinho de estrada mais deserta para umas investidas mais atrevidas. Tocar-te e sentir o teu tesão despertar, a tua calça molhar. Saborear-te, enquanto pedes para sossegar. Despertas em mim o ser mais endiabrado. Pedir o teu clímax sem que pares o carro. É um prazer meu deixar-te desconcertado.
X-art.com
Até há bem pouco tempo imaginava como te sentirias. Um comentário meu, na partilha desta imaginação e invertem-se os papeis. Ficou a promessa de que iria saber, conheceria a sensação em breve. Mais um desafio  é lançado. E assim nos vamos provocando constantemente.

Foi em pleno Verão, depois de um dia de piscina bem acalorado e preenchido. O divertimento foi aproveitado até ao ultimo minuto. Sem oportunidade de secar o biquíni, coloco apenas o vestido comprido e removo a roupa molhada, para evitar o desconforto na viagem de regresso. Atento, olhas-me e ofereces um sorriso perverso que retribuo.

Trocamos um beijo quente antes de entrar para o carro e iniciar o que não gosto: a viagem. Poucos quilómetros fazemos e pelo cansaço, quase me rendo numa sesta tardia. Decido contrariar o sono. Para despertar, roubo--te um beijo. Rejubilo sempre que sinto o quanto um beijo te estimula a tua libido.Consigo me certificar deste despertar, não só, mas de forma mais instigadora, pelo toque. Coloco a mão irrequieta sob os calções finos e sorrio-te com o olhar perverso.

Surpreendes-me num movimento abrupto. Sobes o meu vestido no intuito de retribuíres o meu toque. Seguimos viagem em silêncio. Os corpos comunicam através das mãos que desassossegam o desejo.

Tento desapertar-te os calções mas impedes-me. Dizes que desta vez será a minha vez e retiras-me a mão. Rendo-me aos sentidos. Sinto os movimentos do carro e os da tua mão. Observo os carros e sinto a tua mão. Olho-te e dizes-me: "Sente apenas. Entrega-te!" Relembro a promessa e aceito o desafio. Temos meio percurso. A novidade, o meio, sentir-me observada. Uma autêntica folia interior. Dilema: Entregar? Deixar acontecer? A estas questões os teus dedos respondem por mim. Sabes como me tocar, sabes onde persistir. Quase enlouqueço quando me pedes para segurar. Passamos na portagem e não queremos ferir susceptibilidades.
x-art.com
Assim que passamos o pórtico, não me dás nem mais um segundo de ânsia. Os teus dedos depressa voltam à dedicação da minha satisfação. Os meus suspiros guturais expressam o quanto não domino o pensamento. Quero me entregar, libertar em movimento. O êxtase acontece, diferente do já sentido até aquele momento. Sinto o corpo elevar-se e acompanhar a velocidade do carro. Abro os olhos e sorris, um sorriso terno mas de quem tem o ego alimentado. Essa sensação foi minha por várias vezes e consigo reconhecê-la no teu olhar. Invertemos. Por momentos penso: Não sei se é isto que sentes, mas se assim o é, repetirei não só por satisfação de ambos, mas muito mais por egoísmo!

O retorno do sol fez nos recordar estas peripécias. Possíveis de realizar pelas roupas leves e não pela vontade. Pela mesma...somos uns açorados!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …