Avançar para o conteúdo principal

SPA improvisado

Está em voga crescente o cuidado com a saúde e o bem estar. Faz sentido num país onde o PIB é essencialmente alimentado por serviços, acontecer a modernização dos mesmos. Além do que dizem estudos que uma pessoa saudável em diversos aspectos, produz muito mais. Entretanto, são os períodos de stress de trabalho que geram também a cadência do nosso bem estar. Um circulo vicioso portanto!

Nestes dias de cansaço, até mais mental do que físico, sinto uma necessidade de momentos de puro egoísmo. Colocar os meus fones, vestir algo confortável e apenas sair, esquecer um pouco as responsabilidades/ preocupações. No entanto, tal como não se deve ir às compras com o o estômago vazio, não deveria aproximar-me de gurus de saúde e bem estar. Inevitavelmente acabo por ceder a caprichos, quando apenas procuro  um pouco de mimo para o ego.

Deveria simplesmente tratar um pouco da beleza mas acabei por me exceder. Acordei com este pensamento em forma de recriminação. Desembrulho as caixas e chamo-o. Decido confessar de forma exibicionista as aquisições. De certa forma acho que os presentes serão para os dois. Assim foi como a D. Clara me convenceu: "surpreenda o marido!"

Demora um pouco a surgir no quarto, o que me dá tempo para vestir a primeira lingerie: branca, com alguns detalhes de renda e laços de cetim. Sinto-me angelical de certa forma. No momento em que tento apreciar a figura no espelho, a porta abre. Contiguamente surge o primeiro sorriso. Não de aprovação da compra mas da SMS tão fria. Adoro surpreende-lo!

Depois de percorrer o olhar sorridente nas minhas formas, pergunto : "Então? Que tal?" - responde que está siderado. Não seria uma escolha normal para ambos mas gostou bastante. De repente surge uma travessura. Ofereço-lhe o telemóvel e peço que registe como me vê. Desta vez o sorriso revela alguma malícia, o que desperta a minha sensualidade.

Depois de algumas fotos, começa a pedir poses mais provocadoras. Cedo mas pouco e digo que ainda tenho outra revelação. Senta na cama e espera que me troque. Continuo a deixa-lo boquiaberto. Agora a escolha foi em tema coquete: azul às bolinhas e pormenor de renda muito ténue. Mal teria o soutien colocado e já ouvia a objectiva. Puxa-me para a cama e dobra-me. Toca de leve pelas linhas que separam o tecido da pele. Está a provocar a minha libido! Não era esta a intenção, mas....

Peço que não inutilize já a roupa. Os movimentos estão a tornar-se bruscos. Indicam o quanto lhe despertei a cupidez. Rodo sobre mim para despir o soutien e fico de frente com o tesão latejante a saltar-lhe dos boxers. Nesse ínterim beijo-lhe a ponta do falo. Aproveita a minha parca liberdade de movimentos e enche-me a boca lentamente. Sabe o quanto me desperta a gula.

Continuo irrequieta a querer tirar a delicada lingerie. Ajuda-me a soltar a calcinha e sente a minha emergente humidade com dois dedos. Gemi e continuei a saboreá-lo! Pediu para não ser gulosa mas estou exaltada. Giro sobre os joelhos e ofereço-me pronta a recebe-lo. Quero-o! Penetra-me sem demoras. Controla as estocadas profundas, dizendo que estou a ensandece-lo. Rodo de novo.

Beijo-o apaixonadamente e retribuo o olhar malicioso enquanto desço de novo os lábios até ao pau teso. Pergunta-me o que quero, não está a perceber o jogo desta vez e está a perder a razão. Sem ter de pensar muito respondo: "Quero banho de leite!" - Sobe sobre mim e possui-me de novo! Esfomeado de mim, fome que me contagia e domina. Interrompe as estocadas de novo e invade-me a boca de novo. Percebo o clímax chegar e coloco-me a disposição para ser banhada. Sinto cada gota quente na pele, nos lábios e regozijo.

"Safada!" - ouço enquanto nos olhamos e espalho todo o licor nas minhas mamas ainda inchadas de tanto prazer. Toda besuntada, levanto-me e dirijo-me ao banho. Pede para me refrescar rápido, pois quer tratar de mim como tratei dele.
Decido desobedecer e encher a banheira. Não usufruo da hidromassagem já há algum tempo. Deito-me e chamo-o com o olhar. Afastando as coxas coloco o jacto do chuveiro sobre o centro da minha cupidez. Ajoelha ao meu lado e lentamente domina-me com os dedos como nunca o tinha feito. Solto algo em burburio que não deve ter ouvido : "Foda-se que estás a fazer?"- O corpo entra em delírio como se subisse e descesse uma montanha russa sem fim!

Desmaio os sentidos extenuada. Fico no banho até que as forças voltem. Pergunta se estou bem ao que apenas aceno com um sorriso. Deixa-me sozinha em pleno "salus per aquam" (expressão latina para "saúde pela água"): hidromassagem ligada, vapores quentes, odor a sexo intenso e assim, expurgo todo o stress de uma semana intensa!
O termo "spa" provém da Antiguidade, quando nos tempos da Roma Antiga a aristocracia romana tinha o hábito de frequentar a estância hidromineral da cidade de Spa, localizada na província de Liège, no leste da Bélgica!
Imagens cedidas por x-art.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…