Avançar para o conteúdo principal

Quintessência potenciada

Vivemos trôpegos nas rotinas de trabalho. Mentes dormentes, absortas pelas rotinas impostas pela responsabilidade laboral. Depois do pico de energia sentido com a chegada do Verão, eis-nos novamente letárgicos á espera de férias. A ânsia pelo dolce fare niente consome-me o ânimo nos últimos dias. Para a restituição da minha salubridade mental, sinto uma necessidade premente do tempo de vacuidade.
Nas poucas horas de lazer com a disposição frouxa, dedico-me a momentos calmos e passivos: leitura, reflexão, relaxe. Conduz-me a curiosidade da mente irrequieta em conjunto com o estado de alma e tropeço no "Elogio ao ócio" do matemático e filósofo Bertrand Russell (Nobel da Literatura). Surpreende-me ler quem estudou e fundamenta, em plenos anos 30, o quanto seria ideal o ser humano  trabalhar só e apenas 4 horas diárias; o quanto o lazer é produtivo para a sociedade, fomentando pensadores, investigadores, artes e toda a melhoria de qualidade de vida. Quem pode e sabe usufruir do luxuoso tempo de ócio, desprendido de frivolidades, contribui não só para o seu bem estar, mas também da comunidade. 

Perdida em reflexões, em anuência completa, com a interessante leitura, concluo: Chega! Não quero pensar em mais nada. Quero usufruir da manhã solarenga e contagiar alguém com a minha ociosidade. 

Em movimentos lentos acaricio a pele do meu companheiro de vida, deitado ao meu lado, entretido num qualquer jogo ou leitura máscula. Estamos nus, somente o lençol ainda oculta parte das minhas formas. Depois de lhe arrepiar a pele, passeando, pelas costelas, as pontas das unhas, desço até às virilhas, onde continuo focada apenas no desenho abstracto na ponta dos dedos. Aprecio o falo caído e macio. Sorrimos cúmplices. Prevê as vontades esboçadas a cada toque lento, como se desejasse parar o tempo.
X.ART.COM

Assomada pelo instinto de sucção, decido abocanhar o pedaço de tentação e fazê-lo crescer lentamente na minha boca. Adivinho-o pousar o que lhe ocupava as mãos para que apanhe o meu cabelo delicadamente. Neste ínterim o seu corpo denuncia ligeiras vibrações. Encontro, um novo cerne de atenção: deixá-lo estremecer de tesão.

Quando os movimentos se tornam mais impulsivos, denuncia o querer não verbalizado. Estamos mudos durante todo este culto de prazer, o que promove as sensações dos outros sentidos. Ele olha-me e sente, eu saboreio-o e sinto-o. Nesta altura as suas mãos já vagueiam no meu corpo até alcançar a minha humidade, o meu laivo de tesão infligida.
x.art.com
Subo sob o seu colo e roço a minha lubricidade sobre o membro completamente enrijecido. A essência continua na lentidão dos movimentos, fazer com que a dança do corpo nos encaixe um no outro. Estou de costas para ele, para que me aprecie as curvas e todos os movimentos de entra e sai em pleno. Ouço-o chamar-me de provocadora e sapateia-me as bochechas empinadas. Assim, incita-me a elevar a oferenda.

Alterno a posição. Coloco-me de quatro bem no centro da cama, agora completamente desnudada. Olho-o atrás de mim e em tom de desafio, solto um - "Anda! Toma-me como queres!"

Possui-me ao mesmo ritmo, lento. Sinto cada centímetro quente entrar em mim. Em simultâneo continua a acariciar as minhas costas, de seguida as coxas e quando completamente penetrada, prende-me a anca com força. Ficamos assim por segundos, até deixar os corpos ritmar novamente. Sinto-me verter por cada estocada agora vigorosas e compassadas. Os dedos dele invadem-me o botão rosa. Toco-me como que para acalmar a ardência. Repito a provocação para que me submeta ás suas vontades.

Completamente dentro e sob mim sussurra-me - "Vou-te comer o rabinho! Estás a pedir." - Entro em delírio. Não alterna o ritmo. A lentidão é um querer aprisionado. Leva-me ao suplicio de prazer. Toco-me e rapidamente atinjo o clímax. Quase em simultâneo ele também, jorra em mim o éter da quintessência. No entanto, entra de novo em mim e tenta manter o ritmo brando e compassado. Surpreendentemente atinge ele o duplo clímax, manifestando os ímpetos mais animalescos num gutural gemido e mordida no meu pescoço.
x.art.com

Enquanto refrescávamos os corpos, solta a retórica : Não sei como, mas que raios fazes?

Momentos de lazer, fulgem pela disponibilidade em receber todas as sensações e emoções!


Para os curiosos sobre a leitura interessante : Bertrand Russel: o ócio e a falácia do trabalho

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Quimera dissolvida em Mel I

"Dois é bom, Três é".... muito melhor! - Assim fantasiava muitas vezes em momentos de repouso com a de libido nos píncaros. Sonhos altos, quentes, de tal forma desejados até ceder a procurar registos cinematográficos de conteúdo para adulto. Quando o raciocínio recuperava forças, lembrava que tudo não passaria de mera fantasia. A timidez não permitiria viver tal loucura.
Com a idade e amadurecimento de conceitos e convicções, a desinibição para assumir fantasias surgiu. Em plena tertúlia noctívaga, questionada numa conversa sobre fantasias, sem recear repercussões, confessei a minha quimera nascida e aprisionada desde a adolescência. Alex (amigo circunstancial, impetuoso e muito tolo) diz conhecer alguém com quem deveria conversar.

Surpreendentemente Alex tinha razão. Houve um fascínio instantâneo entre mim e Mel. De tal forma que não esperamos muito para um encontro imediato. Logo, no dia seguinte, final de dia de trabalho, estaríamos, as duas entusiasmadas por trocarmos …

Regresso a borboletear

Finda mais um completo fim de semana. Estamos em meados de Outubro, um calor que ainda justifica a visita ao mar e muitos focos de incêndio pelo país nos quais tento não concentrar as atenções. Egoistamente prefiro minorar a revolta que gera com a ignorância. Entretanto a rádio dificulta esta tarefa.
A brisa evidencia a confusão do tempo: mistura o cheiro do Verão com a humidade de Outono, com ela surge alguma nostalgia. Perco-me em pensamentos, lembranças e reflexões ao som da musica. Paradoxalmente atenta, relembro a ultima leitura: O Cérebro – À Descoberta de Quem Somos. Divago no estudo do escritor, neurocientista - David Eaglemen. Não me lembro de alguma vez ter sentido o efeito do tempo parado. No entanto tenho imensas memórias e cada vez que as recordo revivo-as com mais ou menos detalhe, tendo algumas vezes a sensação de que o tempo na altura passou rapidamente e na memoria uma eternidade pelos detalhes evocados. Algo céptica com o estudo do senhor, que na introdução captou …

A chave é simplicidade...

Mais uma noite nos reencontramos. Um evento inicialmente calmo mas inesperadamente os ânimos se entusiasmaram. Mesmo assim, no meio do frenesim da pista, em horas altas, o sorriso de Nanda faz-me divagar. Relembro as memórias dos bons momentos em comum e toda a sedução improvável.

Faz pouco mais de um ano que fomos apresentados. Neste mesmo espaço, actualmente o nosso clube de eleição. Era noite de aniversário, casa cheia. Comemoração excelente para conviver, divertir, conhecer pessoas. Acabamos por usufruir toda a noite em conjunto sem que nada tivesse  sido planeado. Não nos largamos com desejo de usufruir de tanta empatia.

Sabia que os iríamos encontrar mas as expectativas eram muito diminutas, talvez não passássemos além de um "Olá". A imagem que Francisco me transmitiu em tempos, numa mera conversa online, fazia-me crer ser uma pessoa extremamente arrogante e presunçosa. Características, agora, completamente incompatíveis com o casal doce e desejado que se tornou. Des…