Avançar para o conteúdo principal

Quintessência potenciada

Vivemos trôpegos nas rotinas de trabalho. Mentes dormentes, absortas pelas rotinas impostas pela responsabilidade laboral. Depois do pico de energia sentido com a chegada do Verão, eis-nos novamente letárgicos á espera de férias. A ânsia pelo dolce fare niente consome-me o ânimo nos últimos dias. Para a restituição da minha salubridade mentAl, sinto uma necessidade premente do tempo de vacuidade.
Nas poucas horas de lazer com a disposição frouxa, dedico-me a momentos calmos e passivos: leitura, reflexão, relaxe. Conduz-me a curiosidade da mente irrequieta em conjunto com o estado de alma e tropeço no "Elogio ao ócio" do matemático e filósofo Bertrand Russell (Nobel da Literatura). Surpreende-me ler quem estudou e fundamenta, em plenos anos 30, o quanto seria ideal o ser humano  trabalhar só e apenas 4 horas diárias; o quanto o lazer é produtivo para a sociedade, fomentando pensadores, investigadores, artes e toda a melhoria de qualidade de vida. Quem pode e sabe usufruir do luxuoso tempo de ócio, desprendido de frivolidades, contribui não só para o seu bem estar, mas também da comunidade. 

Perdida em reflexões, em anuência completa, com a interessante leitura, concluo: Chega! Não quero pensar em mais nada. Quero usufruir da manhã solarenga e contagiar alguém com a minha ociosidade. 

Em movimentos lentos acaricio a pele do meu companheiro de vida, deitado ao meu lado, entretido num qualquer jogo ou leitura máscula. Estamos nus, somente o lençol ainda oculta parte das minhas formas. Depois de lhe arrepiar a pele, passeando, pelas costelas, as pontas das unhas, desço até às virilhas, onde continuo focada apenas no desenho abstracto na ponta dos dedos. Aprecio o falo caído e macio. Sorrimos cúmplices. Prevê as vontades esboçadas a cada toque lento, como se desejasse parar o tempo.
X.ART.COM

Assomada pelo instinto de sucção, decido abocanhar o pedaço de tentação e fazê-lo crescer lentamente na minha boca. Adivinho-o pousar o que lhe ocupava as mãos para que apanhe o meu cabelo delicadamente. Neste ínterim o seu corpo denuncia ligeiras vibrações. Encontro, um novo cerne de atenção: deixá-lo estremecer de tesão.

Quando os movimentos se tornam mais impulsivos, denuncia o querer não verbalizado. Estamos mudos durante todo este culto de prazer, o que promove as sensações dos outros sentidos. Ele olha-me e sente, eu saboreio-o e sinto-o. Nesta altura as suas mãos já vagueiam no meu corpo até alcançar a minha humidade, o meu laivo de tesão infligida.
x.art.com
Subo sob o seu colo e roço a minha lubricidade sobre o membro completamente enrijecido. A essência continua na lentidão dos movimentos, fazer com que a dança do corpo nos encaixe um no outro. Estou de costas para ele, para que me aprecie as curvas e todos os movimentos de entra e sai em pleno. Ouço-o chamar-me de provocadora e sapateia-me as bochechas empinadas. Assim, incita-me a elevar a oferenda.

Alterno a posição. Coloco-me de quatro bem no centro da cama, agora completamente desnudada. Olho-o atrás de mim e em tom de desafio, solto um - "Anda! Toma-me como queres!"

Possui-me ao mesmo ritmo, lento. Sinto cada centímetro quente entrar em mim. Em simultâneo continua a acariciar as minhas costas, de seguida as coxas e quando completamente penetrada, prende-me a anca com força. Ficamos assim por segundos, até deixar os corpos ritmar novamente. Sinto-me verter por cada estocada agora vigorosas e compassadas. Os dedos dele invadem-me o botão rosa. Toco-me como que para acalmar a ardência. Repito a provocação para que me submeta ás suas vontades.

Completamente dentro e sob mim sussurra-me - "Vou-te comer o rabinho! Estás a pedir." - Entro em delírio. Não alterna o ritmo. A lentidão é um querer aprisionado. Leva-me ao suplicio de prazer. Toco-me e rapidamente atinjo o clímax. Quase em simultâneo ele também, jorra em mim o éter da quintessência. No entanto, entra de novo em mim e tenta manter o ritmo brando e compassado. Surpreendentemente atinge ele o duplo clímax, manifestando os ímpetos mais animalescos num gutural gemido e mordida no meu pescoço.
x.art.com

Enquanto refrescávamos os corpos, solta a retórica : Não sei como, mas que raios fazes?

Momentos de lazer, fulgem pela disponibilidade em receber todas as sensações e emoções!


Para os curiosos sobre a leitura interessante : Bertrand Russel: o ócio e a falácia do trabalho

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A chave é simplicidade...

Mais uma noite nos reencontramos. Um evento inicialmente calmo mas inesperadamente os ânimos se entusiasmaram. Mesmo assim, no meio do frenesim da pista, em horas altas, o sorriso de Nanda faz-me divagar. Relembro as memórias dos bons momentos em comum e toda a sedução improvável.

Faz pouco mais de um ano que fomos apresentados. Neste mesmo espaço, actualmente o nosso clube de eleição. Era noite de aniversário, casa cheia. Comemoração excelente para conviver, divertir, conhecer pessoas. Acabamos por usufruir toda a noite em conjunto sem que nada tivesse  sido planeado. Não nos largamos com desejo de usufruir de tanta empatia.

Sabia que os iríamos encontrar mas as expectativas eram muito diminutas, talvez não passássemos além de um "Olá". A imagem que Francisco me transmitiu em tempos, numa mera conversa online, fazia-me crer ser uma pessoa extremamente arrogante e presunçosa. Características, agora, completamente incompatíveis com o casal doce e desejado que se tornou. Des…

O nosso exórdio swinguer

Pouco mais de um ano depois de nos assumirmos swingers, foi publicada uma reportagem sobre o swing em Portugal: http://www.noticiasmagazine.pt/2015/swing-nos-eles/. A primeira comoção foi um completo dissabor. Uma das características atraentes sobre o meio é o secretismo e, apesar de ser inevitável negar que parte desse glamour é perdido em detrimento do mundo virtual, ver uma reportagem de um conceituado jornal mencionar os clubes existentes e promover o modo de vida pareceu-me desnecessário. Mas, esta foi só a opinião inicial.
Esmiuçado todo o texto, espoletou a reminiscência. Em mais uma conversa cúmplice a dois, concluímos que quase tudo está escrito conforme vivenciamos e idealizamos. Na realidade até assumimos, entramos no meio pelo mundo virtual.
Tinha muita vontade em afirmar a minha bissexualidade. Fantasiava muito em ver o meu amante de vida com outra e que ele me visse a mim. No mundo cibernético é muito mais fácil esconder a timidez e partilhar estes desejos com outros. N…

Licença para foder

Época de achaques. Chegou a minha vez na roleta russa dos vírus. Foram uns dias de debilidade minha que muito surpreenderam quem me rodeia.

A ti...a ti, este meu estado transforma-te de forma nefasta. Não queria que te transtornasse tanto. Talvez por isso da ultima vez que procuraste o meu corpo desejoso da minha pele, do meu cheiro, do meu contacto, ignorei os sintomas de alerta e cedi-te. Não sendo a primeira vez, obtive um clímax agridoce. Se há estudos que afirmam que fazer amor alivia enxaquecas, há também avisos que informam que as mesmas podem aumentar. Desta vez foi uma delas. Entrei em colapso mesmo ali, no momento de libertação das endorfinas, não houve forma de esconder a minha condição frágil.

Nestas alturas embirro com as estatísticas que promovem investigações sobre "pessoas apaixonadas têm a imunidade mais alta", e ainda outro exemplo "fazer amor aumenta o combate as doenças virais". Em tempos alguém me disse que a estatística é a meretriz da matemát…