Avançar para o conteúdo principal

Quimera dissolvida em Mel I

"Dois é bom, Três é".... muito melhor! - Assim fantasiava muitas vezes em momentos de repouso com a de libido nos píncaros. Sonhos altos, quentes, de tal forma desejados até ceder a procurar registos cinematográficos de conteúdo para adulto. Quando o raciocínio recuperava forças, lembrava que tudo não passaria de mera fantasia. A timidez não permitiria viver tal loucura.
Com a idade e amadurecimento de conceitos e convicções, a desinibição para assumir fantasias surgiu. Em plena tertúlia noctívaga, questionada numa conversa sobre fantasias, sem recear repercussões, confessei a minha quimera nascida e aprisionada desde a adolescência. Alex (amigo circunstancial, impetuoso e muito tolo) diz conhecer alguém com quem deveria conversar.

Surpreendentemente Alex tinha razão. Houve um fascínio instantâneo entre mim e Mel. De tal forma que não esperamos muito para um encontro imediato. Logo, no dia seguinte, final de dia de trabalho, estaríamos, as duas entusiasmadas por trocarmos os primeiros olhares e as primeiras de muitas conversas alegres.

Ligeiramente mais nova mas com uma vivência de me fazer inveja. Pessoa de garra e energia imparável, conseguiu me cativar rapidamente a empatia. A audácia que a caracteriza seduz-me. Entretanto, amenizando toda a bravura, tem um olhar doce, encantador. Alta e voluptuosa de tez clara e cabelo rebelde, ondulado e cor mel, tal como o olhar, enquanto conversamos todos os detalhes eram minuciosamente observados. 

Não se passaram muitos dias para nos tornarmos amigas intimas. Partilhávamos muito do que vivíamos e do que desejávamos viver. Mel incentivava-me a soltar o que ainda insistia aprisionar, a comunicar cada vez mais e ser ousada. Derrubando a minha timidez, assim conseguiu com que, a determinada altura, lhe escrevesse uma dedicatória.

Nesta altura o desejo já tinha sido suscitado, apesar de não conseguirmos superar os receios das consequências e, assim, nem um toque mais ousado surgia. No entanto, ambas esperávamos o primeiro passo. Num encontro, mais uma vez com um amigo em comum, fomos incentivadas a assumir o que tanto desejávamos.

Ao som das primeiras chuvas de Outono, conversávamos abertamente no carro. Diogo, sentado no banco de trás, confessou a determinada altura, sermos as pessoas ideais para conhecer uma fantasia dele : Gostava de ver ao vivo, um beijo entre duas mulheres! - Todos sabíamos o motivo daquela confissão. Rimos em uníssono e os nossos olhares cruzaram-se. Mel e eu tivemos a percepção de ser este o momento ansiado. De olhares flamejantes e penetrantes, uma na outra, decidimos sem uma só palavra satisfazer o desejo de Diogo.
Um beijo doce, terno inicialmente e que lentamente se tornou  arrebatador e nos fez sentir febris. Embaciamos os vidros e coramos mais do que o pretendido. Imediatamente e durante dias fui assomada pelo sucesso música de Verão de 2008:

Este foi o marco. Transposta a intimidade, vivemos dias de autêntico namoro no feminino. Reconheci e assumi a minha bissexualidade e suspirava, agora com muito mais veemência, por realizar todas as minhas fantasias de outrora. Mel tornou-se no arquétipo de parceira, desejo-a como não imaginaria desejar uma mulher. Inebriar-me no seu perfume, deliciar-me com a suavidade da sua pele, sorver o seu mel e saborear cada momento de forma egômana.

Mel desafiava-me constantemente e provocava muitas vezes sem ter intenção, até reconhecer também o desejo de viver toda a minha quimera. A minha eloquência agora era autêntica tocha na libido de ambas e a determinada altura já estaríamos dedicadas a todos os detalhes da nossa arrojada aventura.

imagens cedidas por x-art.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Unicórnio domado I

Escolhi chegar mais cedo, com o desejo de que o tempo de espera abrandasse a inquietude interna. Sentei-me num dos bancos, do lado menos movimentado da estação. A intenção era manter-me em discrição, apenas observar. Queria-a admirar de longe, quando chegasse. Queria-a ver procurar-me com o olhar. Imaginava o quanto estaria ela ansiosa na longa viagem. Seria o desejo dela por este encontro tão desmedido como o meu?

Fiquei novamente com a sensação de estar a viver no limbo. Esse mesmo sentimento a causa do nosso primeiro arrufo e afastamento precoce. Mania da desconfiança!

Fez mais de um par de anos desde que conversamos, continuadamente durante um mês, num chat, até nos voltarmos a cruzar no mundo cibernético. Não foram as fotos que me cativaram pois ela não tinha as curvas desnorteadoras e as poses não eram carregadas de sensualidade. Foi uma simples mini t-shirt, estampada com um dos meus desenhos animados preferidos, o mote do primeiro tema. Surpreendi-a logo aí. Ela deixou-se con…

Assim nasce ... uma cruzada iluminada!

É na viragem do ano que muitas pessoas refletem sobre o balanço do mesmo. Não o costumo fazer mas é quase inevitável não pensar no tema. Prefiro outra altura, também marcante mas mais pessoal, só minha. Sigo o lema: Um ano novo é quando o Homem quer! (adaptação) - afinal os orientais não comemoram na mesma altura que os ocidentais (sendo o próximo a 5 de Fevereiro) e há algum tempo atrás, antes do calendário gregoriano, o ano novo era celebrado apenas a 1 de Abril!
Os últimos tempos têm sido intensos em crescimento, em emoções em ... viver! Devota do conceito mindfulness, tento usufruir muito mais do momento, talvez seja o amadurecimento a dar ares da sua graça. Quando revivo o passado, sinto uma espécie de ritual de conclusão e por isso, abominando as despedidas, dediquei-me menos a este cantinho de ócio. O monopólio pelos momentos e memórias é cada vez mais renitente.

Comum a qualquer ser, aqui ao outro lado do globo, recordo o drama, a doçura, alegria, amizades que se firmaram e o…