Avançar para o conteúdo principal

Quimera dissolvida em Mel I

"Dois é bom, Três é".... muito melhor! - Assim fantasiava muitas vezes em momentos de repouso com a de libido nos píncaros. Sonhos altos, quentes, de tal forma desejados até ceder a procurar registos cinematográficos de conteúdo para adulto. Quando o raciocínio recuperava forças, lembrava que tudo não passaria de mera fantasia. A timidez não permitiria viver tal loucura.
Com a idade e amadurecimento de conceitos e convicções, a desinibição para assumir fantasias surgiu. Em plena tertúlia noctívaga, questionada numa conversa sobre fantasias, sem recear repercussões, confessei a minha quimera nascida e aprisionada desde a adolescência. Alex (amigo circunstancial, impetuoso e muito tolo) diz conhecer alguém com quem deveria conversar.

Surpreendentemente Alex tinha razão. Houve um fascínio instantâneo entre mim e Mel. De tal forma que não esperamos muito para um encontro imediato. Logo, no dia seguinte, final de dia de trabalho, estaríamos, as duas entusiasmadas por trocarmos os primeiros olhares e as primeiras de muitas conversas alegres.

Ligeiramente mais nova mas com uma vivência de me fazer inveja. Pessoa de garra e energia imparável, conseguiu me cativar rapidamente a empatia. A audácia que a caracteriza seduz-me. Entretanto, amenizando toda a bravura, tem um olhar doce, encantador. Alta e voluptuosa de tez clara e cabelo rebelde, ondulado e cor mel, tal como o olhar, enquanto conversamos todos os detalhes eram minuciosamente observados. 

Não se passaram muitos dias para nos tornarmos amigas intimas. Partilhávamos muito do que vivíamos e do que desejávamos viver. Mel incentivava-me a soltar o que ainda insistia aprisionar, a comunicar cada vez mais e ser ousada. Derrubando a minha timidez, assim conseguiu com que, a determinada altura, lhe escrevesse uma dedicatória.

Nesta altura o desejo já tinha sido suscitado, apesar de não conseguirmos superar os receios das consequências e, assim, nem um toque mais ousado surgia. No entanto, ambas esperávamos o primeiro passo. Num encontro, mais uma vez com um amigo em comum, fomos incentivadas a assumir o que tanto desejávamos.

Ao som das primeiras chuvas de Outono, conversávamos abertamente no carro. Diogo, sentado no banco de trás, confessou a determinada altura, sermos as pessoas ideais para conhecer uma fantasia dele : Gostava de ver ao vivo, um beijo entre duas mulheres! - Todos sabíamos o motivo daquela confissão. Rimos em uníssono e os nossos olhares cruzaram-se. Mel e eu tivemos a percepção de ser este o momento ansiado. De olhares flamejantes e penetrantes, uma na outra, decidimos sem uma só palavra satisfazer o desejo de Diogo.
Um beijo doce, terno inicialmente e que lentamente se tornou  arrebatador e nos fez sentir febris. Embaciamos os vidros e coramos mais do que o pretendido. Imediatamente e durante dias fui assomada pelo sucesso música de Verão de 2008:

Este foi o marco. Transposta a intimidade, vivemos dias de autêntico namoro no feminino. Reconheci e assumi a minha bissexualidade e suspirava, agora com muito mais veemência, por realizar todas as minhas fantasias de outrora. Mel tornou-se no arquétipo de parceira, desejo-a como não imaginaria desejar uma mulher. Inebriar-me no seu perfume, deliciar-me com a suavidade da sua pele, sorver o seu mel e saborear cada momento de forma egômana.

Mel desafiava-me constantemente e provocava muitas vezes sem ter intenção, até reconhecer também o desejo de viver toda a minha quimera. A minha eloquência agora era autêntica tocha na libido de ambas e a determinada altura já estaríamos dedicadas a todos os detalhes da nossa arrojada aventura.

imagens cedidas por x-art.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Em folia no baloiço

«Carnaval» uma comemoração temática, tal como muitas outras, esvanece-se o motivo de tal celebração. O nascimento da palavra surge de carnisvalerium (carnis de carne + valerium, de adeus), indica o «adeus à carne» ou à «suspensão do seu consumo» Época de excessos para posterior jejum. Vestirmos personagens, esquecer o politicamente correto e dedicarmo-nos à folia.
Em mais uma pesquisa cibernética encontrei outro foco de diversão: o baloiço erótico. Lubricidade aliada à puerilidade de quem sempre apreciou baloiçar de cabelo ao vento, em idade mais tenra. 
Ambos empolgados com a nova fantasia, durante alguns dias foi o tema, intercalado na seriedade da rotina diária, que nos fazia sorrir. Ansiávamos cada vez mais pelo momento de brincadeira a dois. Não gostamos de premeditar estes momentos mas fantasiar deveria ser obrigatório a qualquer casal. São estes detalhes que nos unem e alimentam a cumplicidade.
Entramos no quarto, colorido, alegre, definitivamente carnavalesco. Avaliamos o esp…

Habitual serão genuíno

Recentemente alguém se surpreendia com uma das nossas brincadeiras; apanhados em toques de tornozelos sob a mesa, ouvimos: "Isso não é normal! Se fossem um casalinho juntos há um mês,entendia-se, agora vocês?!" - Gargalhei e fui capaz de uma resposta arrojada:

- "Vocês nem imaginam! Com o tempo isto só melhora!"
Estavas particularmente carente durante o jantar. Provavelmente, o vestido novo de tecido fino, denunciava a ausência de vestes interiores e isso terá sido apenas a acendalha das brincadeiras. Às vezes desejo que sejam assim todos os casais que conhecemos, desde familiares a amigos, vizinhos e conhecidos. Acho completamente saudáveis estes momentos de boa disposição no final de um dia rotineiro. Gosto de imaginar todos os casais felizes no regresso a casa, o derradeiro momento relaxante do dia a dia. 
Entretanto, naquele dia  estavas mais endiabrado. Mesmo com gente em casa, não resistias a provocar-me a pele sempre que por mim passavas. Depois do janta…

Intensos expectadores na natureza

Hoje a caminhada foi mais longa do habitual. Iniciei mais cedo, acordei com muita energia talvez pelos dias primaveris que finalmente chegaram. Entretanto, lembro: há muito que desejo conhecer a praia dos pescadores.

Consegui chegar mesmo na hora do arrasto artesanal do peixe. Observo todo o reboliço de longe e admiro todo o trabalho duro dos homens do mar. No entanto, após alguns momentos sinto o sol mais quente e preciso descansar um pouco. Embrenho-me um pouco na vegetação até encontrar o local ideal para sentar e relaxar com a brisa marítima a misturar-se com a frescura verde matinal.

Quando a azáfama acalma um pouco oiço um carro a parar perto. Consigo vislumbrar por entre os fetos do meu lado esquerdo, um jipe que estaciona embrenhado entre os eucaliptos. Saem duas mulheres de cada porta da frente. Ambas alegres mas de postura receosa. 
Observam em redor ao aproximarem-se. Uma trás um vestido floreado de cores tropicais, comprido, a outra trás um vestido mais curto, solto e de …